30/09/2015

NOSTALGIA...

Hoje, acordei assim:
Belas lembranças... Saudades!
Amor sem fim... Amor... Amor,
Que já não cabe mais em meu peito.

Saudades do que ainda virá...
De um amor que dilacera
A alma e o coração,
E que nunca esteve em mim.

Lamentei... Chorei...
Chorei por um amor que não vivi.
Criei sonhos... Fantasias.
Reinventei e contei histórias.

Das histórias que sonhei...
Em mim, impregnado você ficou.
Saudosa fiquei... Saudosa estou.
Hoje, só por hoje, estou assim.

Estou querendo que o tempo
Vá embora rapidamente.
Que vá, para onde tanto desejo...
Quiçá, para onde eu tanto quero!

A dor da saudade me paralisa...
Ainda, que de um amor não vivido.
Nem sei se ele ainda não aconteceu
Ou, foi de saudades, que ele morreu.

Estou aqui... Sozinha... Melancólica...
Sofrendo e chorando uma saudade
Que eu mesma inventei,
Para um futuro que jamais existirá.

O presente, hei de viver intensamente
Até que um dia chegue
Os sonhos concretos sem invenções...
E a nostalgia, não mais tome conta de mim.
  
Hoje, acordei assim...
Coração pretencioso criando sonhos.
Sonhando acordada...
Sem ser preciso sofrer, para ser feliz.

Acordei fazendo planos,
De juntos vivermos um sonho de amor.
Ainda que fisicamente distantes...
Estamos juntos mesmo que separados.

Preciso deixar a alma leve,
A nostalgia distante e o coração livre.
Deixar o sangue correr nas veias...
Deixar o amor acontecer!

Para viver um grande Amor,
É preciso querer Amar...
É preciso saber deixar o coração
Por si mesmo...
Saber pulsar!

Um comentário:

  1. Amor e sensibilidade, sempre "vivos" nos seus poemas.Parabéns!

    ResponderExcluir