16/12/2015

DESPEDIDA...

Eu sei,
Chegou o dia da sua partida.
Você precisa ir embora...
Embora, deixe um enorme vazio
Em meu coração. 

Esse dia chegou...
Chegou a hora da sua triste partida.
Se eu puder escolher,
Prefiro que não tenha despedida...
Vá, sem adeus!

Gostaria que sua partida
Fosse algo bem distante...
Ou, que nunca existisse.
Não desejei essa dor 
De abandono.

Sem ter o que fazer,
Desejo que sua despedida
Seja ao menos leve...
E não leve, 
O que de melhor deixou em mim.

Peço apenas
Que sua dolorosa despedida,
Deixe ao menos em meu coração,
Um lindo e florido jardim.

Deixe crisântemo, violeta,
Jasmim... Rosas.
Deixe margaridas, orquídeas,
Gardênia... Amapola... Açucenas.

Deixe meu coração tranquilo,
Sereno e em calmaria,
Feito o mar sem ondas revoltas
Em noite de lua minguante.

Eu não queria sua despedida.
Nunca desejei sua partida,
Feito rio em forte correnteza
Que busca novos horizontes.

Sua partida faz-me
Desmanchar em lágrimas de tristezas,
Feito o mar que mistura água e sal,
Sem encontrar
 Um novo destino.

Que sua despedida
Seja como a lua,
Que timidamente chega à noite
E pela madrugada sutilmente,
Vai embora.

Não queria sua despedida,
Seu abandono... Seu adeus.
Vá, e seja qual uma estrela
Que mesmo distante,
Deixa seu brilho.

Que sua  partida seja silenciosa...
Não me diga nada,
Apenas, deixe a luz do seu olhar
Em silêncio falar por ti.
Adeus! Adeus!

04/12/2015

DA JANELA...


O tempo passa... Se esfumaça...
O entardecer traz nostalgia.
Da janela,
 Vejo um alaranjado brilhante...
É o dia chegando ao fim.

Cada dia é único...
E todos eles  têm sua beleza
E sua dose de humor,
Explícito em cada história de amor.

Da janela,
Vejo a vida que se espreita
Como  o dia desaparece
Junto ao sol,  
Ao final do dia.

Não se vive uma história sem amor.
Não se faz um percurso,
Sem esforço e sem coragem.
Há dias de chegadas e de partidas...

Da janela,
Posso  ver os dias passarem coloridos.
Para mim, os dias não passam em branco...
Em branco, não vive meu coração.

Da janela, 
Por ironia do destino,
Vi sua partida sem dizer adeus.
Dose de ironia ou desamor?
Com você a palavra!

Da janela, revejo e reflito
Tudo que passou.
As boas lembranças ficam...
O resto, 
Eu  as envio para o labirinto.

Da janela,
Hoje posso ver o que de melhor me restou.
As boas imagens, deixo-a engavetadas
No âmago do meu ser.

E na janela do agora,
Minha memória sem uso está.
Cada dia que amanhecer e anoitecer,
Apenas me fará recordar.

Da janela, entre um tempo e outro,
Fico apenas observando e penso:
O tempo não tem mais volta...
O tempo, não volta jamais!

Da janela,
Agora triste, solitária e olhos marejados 
Vejo o tempo brincando com a dor...
Que em breve,  irá virar passado.

Da janela,
Imersa em meus pensamentos,
Vejo os dias sorrateiramente passarem.
Desejo coisas boas para o presente...
As velhas, 
 Eu já as mandei embora.




02/12/2015

CUMPLICIDADE...

Pegue minha mão, vem comigo...
Somos cúmplices.
Somos reflexo um do outro
E jamais ficaremos separados.

Olhe nos meus olhos...
Liberta-me, das trevas da solidão.
Vem comigo ver a luz da lua
Antes que ela se apague.

Somos Cúmplices... Unos...
Estamos alinhavados.
Não temos medo do amor,
Ele nos escolheu... Nos escolhemos.

Que o nosso amor seja para sempre
E a vida nos espere.
Que a vida espere o nosso instante
E a nossa cumplicidade!

Que o beijo seja demorado
E adocicado...
Que seu cálice em mim transborde,
Meu corpo é templo seu!

Vem comigo... Dê-me sua mão...
Somos cúmplices apaixonados.
Deixe seu cheiro exalar no ar...
Quero tê-lo, como  meu alimento.

Antes do prenuncio solar,
Em silêncio a vida fica
Para mostrar a sua essência
E a cumplicidade do nosso amor.

Vem correndo, quero abraçar-te.
Quero olhar-te nos olhos...
Cheirar... Tocar... Sentir...
Ouvir sua voz me dizendo: eu te amo.

Somos cúmplices...
Seu abraço é forte, gentil e doce.
Ele cura-me, acalenta-me...
Ele faz todo sentido... Ele é pleno!

Vem! Seu abraço apazígua a alma...
É natural... É pura magia.
Seu abraço aquece-me...
Alimenta-me... Sacia-me.

Vem! Vem correndo meu amor.
Vem  proteger-me da dor.
Vem retemperar-me...
Quero ser sua deusa e sua poesia.

A cumplicidade do nosso amor
É tema de poesia,
Que nenhum poeta jamais,
Em tempo algum, conseguirá escrever.

25/11/2015

ETERNAMENTE EM MIM...






Uma brisa leve a cada amanhecer,
Suavemente toca minha face.
Lambuza-me,
De saudades e desejos!

Uma brisa gélida,
Cheira-me... Beija-me...
E delicadamente, acaricia meus lábios
Sedentos de amor!

Suave brisa 
Que envolve meu corpo...
Sussurra em meus ouvidos,
Fala de amor... Do amor que sinto.

Brisa sutil
Que fala de nós dois...
Murmura baixinho:  eu te amo!
E nos faz sentir, completamente
Um do outro!

Sou sua amável metade...
E você, minha metade também.
Sou seu doce encanto...
E você, meu príncipe encantado.

Essa brisa sutil e suave
Que contempla meu viver,
É você...
Que para sempre,
Será eterno em mim.

Eu não existo sem você.
E cada brisa, a cada manhã...
Faz-me sentir,
Que por você sou amada.

A cada dia que passa,
Longos caminhos eu sigo...
Que todos esses caminhos,
Me encaminhem até você.

Brisa leve... Suave...
Brisa forte ou ventania...
Que jamais te leve embora,
Porque a vida e o amor, não quer assim.

Todo grande amor
Por mais distante que esteja,
Não precisa ser triste...
A brisa do amanhecer cuida bem disso.

A brisa, assim qual o mar
Que fica ainda mais belo
Com a luz do luar,
Meu dia fica mais belo
Se tiver a luz do seu meigo olhar.

A brisa é suave canção...
Que mesmo distante,
Só tem razão, se se cantar,
As notas do nosso amor.

Eternamente estarás em mim...
Não há você seu eu...
E eu? Bem...Eu...
Eu não existo sem você!

18/11/2015

DOS MEUS ESCRITOS

Minha mente sonhadora
De amáveis sinfonias vive.
No meu mais íntimo desejo,
Deixo soar o meu ser.

Construo frases, estrofes...
Faço rabiscos de poemas.
Meu pensamento é mutante...
Sonhadora convicta eu sou.

Todos os dias em minha vida,
Novas páginas são inseridas.
Toda vez que escrevo um poema,
Junto a ele eu me reconstruo.

Canções... Belas canções...
Magníficas canções eu ouço
Para minha inspiração colher suavidades
E belos poemas, poder desenvolver.

Traços... Rabiscos... Poesias.
Poemas sempre insisto fazer
Para neles poder expressar,
Toda a alegria de ser e de viver.

É um desejo desde a adolescência,
E nunca consegui esconder...
Faço prosas e versos de amor,
Que é um pouco de tudo que me deixa feliz.

Insisto em escrever poemas
Em toda oportunidade que tenho...
Amo fazer o que me faz viver,
E enche meu coração de alegria.

Escrever poemas é uma felicidade,
Que todos os dias enche meu peito.
Toda vez que rabisco uma letra,
É um poema que sonho escrever.

Aos amantes de poemas,
Deixo meus singelos escritos...
Os poemas aprendi a admirar,
Mundo afora, espalho os meus.

Em cada poema que escrevo,
Vai nele um milímetro de mim.
O tempo passa rapidamente...
E meus escritos quero compartilhar.

  Esse, não sei se é um poema,
Mas  também quero deixar.
Amanhã tentarei novos poemas...
Que eles venham logo cedo,
Me contemplar!

12/11/2015

AH! MINHA DOCE VIDA...

Minha vida nunca foi
E jamais será um romance.
Peço desculpas...
Não sou estrela!

Vivo meus medos e fantasias...
Vivo de encantos, magia e surpresas.
Não deixo minha vida
Passar, só por passar!

Tenho defeitos...Vivo ansiosa.
Sei dar a mim mesma
O amor e o perdão,
Que tanto bem faz ao coração.

Ah! Minha vida que tanto amo...
Jamais deixarei você passar
Simplesmente por passar.
Preciso do seu eterno sorriso.

Não me sinto culpada de nada...
Prefiro sempre Espalhar sorrisos
De um jeito tão simples,
Tão terno e tão meu.

Não sou um farol...
Não sou o sol... Não sou estrela
E tampouco a lua....
Porém, sei brilhar por mim mesma.

Minha vida... Ah! Doce vida...
Minha empresa
Sem fins lucrativos...
És a maior empresa do mundo!

Minha vida... Doce e amável vida...
Uma empresa que nunca,
Jamais... Em tempo algum,
Irá à falência por falta de amor.

Minha vida vale muito a pena.
Saboreio cada incompreensão,
Cada gesto... Cada desafio...
E de tudo, não sou vítima.

Faço valer cada minuto,
E cada segundo sei amar...
Sou autora da minha própria história,
Que consciente a cada dia construo.

Sei atravessar mares...
Desertos e oceanos fora de mim.
E sou capaz de encontrar paz,
No recôndito do meu coração.

Minha vida é um milagre
A cada dia, a cada hora...
A cada amanhecer reconstruo-me,
Afinal, ela só se dá, a quem se deu!

Vida... Minha doce vida...
Dou-me a ti por inteiro sem medo de sofrer...
Permito que rasgue meu coração,
Porque o maior perigo dessa vida,
É para quem nunca teve uma paixão.


05/11/2015

DO AMOR QUE SINTO...

Vou deixar a vida
Levemente me levar...
Me encantar, me envolver,
Me tocar... Me acariciar!

Do amor que sinto,
Vou deixa-lo me guiar...
Me levar...Me seduzir...
Florescer... Me encantar!

Vida... Minha doce vida...
Te deixarei me tocar,
Me inundar... Me regar...
Me fazer florescer!

Deixarei o amor acontecer
Para florescer nas quatro estações!
Deixarei ser acariciada
E envolverei-me-ei em seu abraço.

Do amor que sinto
E que faz minha pele queimar,
Me faz ter a certeza
Que é contigo que  sempre desejo estar!

Do amor que sinto,
Vou deixar criar raízes...
Crescer... Florescer...
Para enfeitar meu coração e os meus dias.

Do amor que sinto,
Vou deixar a vida me levar...
Amarei incondicionalmente
E serei feliz a todo instante!

O amor é luz... É vida...
E é preciso saber saborear!
Sinta seu gosto e seu sabor,
Até onde puder amar!

Do amor que sinto,
Vejo luz em meu viver...
Faço da vida uma orquestra
E do amor uma sinfonia.

A vida é doce... É sensível...
É rápida e sutil.
O amor é forte... Denso e florido, 
Feito jardim bem regado.

Deixe... Deixe o amor
Te tocar, te incendiar e te iluminar
No inverno, no outono, no verão
E na primavera!

Do amor que sinto,
Espalharei boas sementes em terras férteis
Para que todos os dias,
 Possa florescer meu coração!



28/10/2015

UMA VIAGEM AO PARQUE...

Dia brilhante...
Manhã de sol assanhado...
Passeio pelo parque.
Luz, pássaros, flores, gente...
Procuro-te!

Imersa em sonhos
Por entre as sombras,
Respiro ar puro e observo Belezas... 
Silêncio... Desejo-te!

Percebo-te... Sinto-te
Em cada arbusto... Cada galho...
E em silêncio eu fico,
Enquanto o pensamento viaja.

Observo a tudo atentamente...
E ouço um suave burburinho
Da água do chafariz,
Onde pássaros dão voos rasantes!

Os pássaros alegres cantam...
Entendem a alma do Parque!
Por um momento de alma,
Sua presença imaginária me guia.

E na imaginação,
Contigo estou novamente.
Surgem lembranças do quanto foi lindo,
Encontrar-te ali, a primeira vez

Vislumbrei seus olhos azuis
E seus cabelos grisalhos...
Eles, fizeram-me relembrar
Que de novo, eu poderia amar.

Por entre os arbustos, ramos verdes,
Céu limpo e flores...
Pássaros passeiam felizes pelo parque
Em sintonia com meu coração.

Senti sua presença ali
Sentado em um banco,
Como que chorasse por alguém
Que estava distante!
  
E naquela tristeza errante,
Foi então que eu cheguei...
E naquele mesmo instante
Vi lágrimas caírem da sua face.

Olhei ao redor e vi flores...
Cores... Pessoas... Pássaros... Luz...
Senti uma brisa batendo forte
Como se comigo conversasse.

Abracei a brisa fresca
E a imaginação aguçada
Levou-me a chorar copiosamente
De saudade de alguém,
Que nunca soube me amar.